terça-feira, 21 de junho de 2011

Dicas de Emagrecimento

Posted: 20 Jun 2011 06:00 AM PDT
Atualmente, há um incentivo do aumento da  atividade física como forma de qualidade de vida, o que é válido e muito importante. Assim, cada vez mais as mulheres buscam por exercícios para manter o físico e mesmo aumentar a performance – esporte amador ou de competição. Dentro desse cenário, observamos um fenômeno ainda desprezado pela maioria das pessoas (família, treinadores, atletas), a tríade da atleta do sexo feminino. Ginastas, bailarinas, patinadoras, corredoras, lutadoras, tenistas, nadadoras de nado sincronizado e amazonas são apontadas como as modalidades em que a presença da tríade é frequente. A tríade diminui a performance e promove comorbidades médicas (aumento de lesões e fraturas) e até psicológicas.
O principal fator para a ocorrência da tríade é a “pressão” que as mulheres sofrem para atingir e manter um peso “irreal” – há pesquisas mostrando que até modalidades que não tem o peso como fator muito determinante, como o futebol, há a ocorrência da tríade. Meninas ganham massa gorda na puberdade e são encorajadas a perder peso para melhorar a performance e a aparência, muitas recorrem a diuréticos, jejum prolongado e restrição alimentar, o  que as colocam em risco nutricional.  Um estudo norueguês mostrou que há maior risco de desenvolvimento da tríade em atletas em comparação a mulheres não atletas. E, entre o grupo de atletas, foi observado risco maior entre as modalidades que “precisam” de físico magro, bem como entre as modalidades artísticas que dependem da estética magra.
A tríade é uma adaptação fisiológica relacionada ao gasto energético negativo por longos períodos de tempo. A disponibilidade energética baixa acarreta disfunção menstrual (amenorréia hipotalâmica) e perda de massa óssea, estando ligada ou não a desordem alimentar (bulimia e anorexia). Está bem estabelecida na literatura que a principal causa de osteoporose/osteopenia em mulheres menores de 16 anos é a reduzida produção de hormônios ovarianos. Entretanto, devemos reconhecer que a tríade também ocorre entre as atletas que não buscam a perda de peso como meta. Isso, simplesmente pelo excesso de treinamento – “overtraining“. O treinamento inibe o centro da fome, localizado no hipotálamo, em virtude do aumento da temperatura corporal que ocorre durante e persiste após o treinamento. Além disso, há modalidades esportivas que demandam necessidade de ingestão calórica diária de 6000 Kcal ou mais – há atletas que precisam comer um volume grande de alimentos o dia todo. Importante salientar que a manifestação clínica da tríade se apresenta quando a ingestão energética diária é menor que 30 Kcal/g de massa magra.
Os sinais da tríade precisam ser reconhecidos pela família e treinadores e eles não deveriam pressionar as garotas em virtude do peso. Portanto, mulheres fisicamente ativas e as atletas deveriam ser educadas quanto a nutrição e práticas seguras de treinamento.  Com relação ao tratamento da tríade, ele deve ser individualizado e multidisciplinar, com a ingestão calórica adequada ao gasto energético diária e a recomendação de cálcio em 1500 mg ao dia e vitamina D em torno de 400-800 UI ao dia, como forma de restabelecer o metabolismo ósseo. É extremamente importante apontar o papel do nutricionista no processo de tratamento, pois apenas o restabelecimento do estado nutricional mostra-se efetivo na reversão da tríade. Não há tratamento farmacológico capaz de reverter, por si só, os efeitos da osteopenia nem a perda da função reprodutiva - a nutrição é a linha de frente do tratamento. Nos casos em que há transtornos alimentares (anorexia/ bulimia) envolvidos, a terapia psicológica também deve ser implementadad

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, Amei sua vista, Obrigado, volte sempre!

Bom dia, estou muito feliz com meu jejum até aqui eu já eliminei -2 kg. ontem dei uma exagerada no almoço mas me controlei logo em seguida...