sexta-feira, 5 de agosto de 2011



Vários sintomas indesejados fazem parte da vida de 90% das mulheres em idade reprodutiva. Durante os dias que antecedem a menstruação podem surgir dores de cabeça, inchaço, alteração de humor, aumento de peso, maior sensibilidade e dor nas mamas, entre muitos outros, que podem alterar o bem estar e comportamento da mulher e, assim, afetar seus círculos social, familiar e de trabalho.
Mas, para ajudar esse grande número de mulheres, diversos estudos já mostraram bons resultados com nutrientes que melhoram ou eliminam esses sintomas.
Dê uma olhada em alguns dos nutrientes que fazem parte desse processo:
1.Vitamina B6: auxilia na formação de serotonina (hormônio do “bem estar”), melhorando os sintomas relacionados à alteração de humor. Exemplos de alimentos:semente de girassol; abacate; banana; batata; atum; salmão; peito de frango.
2. Vitamina E: alivia sintomas como ansiedade e sensibilidade/ dor mamárias.Exemplos de alimentos: gérmen de trigo (fonte mais importante); nozes; amêndoas; óleos vegetais como de soja, arroz, algodão, milho e girassol.
3. Cálcio: mulheres com maior ingestão de cálcio apresentam menor risco para os sintomas da TPM, isso porque mulheres com esse quadro apresentam menores níveis de cálcio no sangue. A ingestão de 1000 a 1200 mg de carbonato de cálcio diariamente, por 3 ciclos, é um forte aliado para reduzir os sintomas. Alimentos ricos em cálcio: leite e derivados, como queijos, iogurtes, requeijão; couve; espinafre; peixes; amêndoa; gergelim; avelã; castanha do Brasil; flor crua de brócolis; agrião.
4. Magnésio: assim como o cálcio, essas mulheres também apresentam menores níveis de magnésio nas células do sangue. Portanto, sua deficiência pode influenciar diversos sintomas da TPM, já que o magnésio exerce várias funções no organismo. A suplementação pode ser feita com doses entre 200 e 360 mg. Exemplos de alimentos:verduras e legumes verdes, cereais integrais e oleaginosas.
5. Manganês: sintomas de mau humor e dor estão presentes em mulheres com menor ingestão de manganês. É possível que haja benefícios com doses de 6 mg de manganês, porém sem efetividade sobre a recomendação da suplementação.Alimentos fontes: banana, alcachofra, aipo, grãos integrais, vegetais de folhas verde, legumes, nozes, abacaxi.
6. Isoflavonas: as isoflavonas da soja possuem ação nos níveis de estrogênio (hormônio ovariano). Assim, com o consumo de 68mg de isoflavonas, na forma de proteína de soja, há redução de vários sintomas, como enxaqueca, inchaço, sensibilidade mamária e cólicas.
7. Carboidratos: é comum a vontade de consumir alimentos ricos em carboidrato durante a TPM. Essa “necessidade” associa-se à demanda elevada da produção de serotonina. Porém, é importante priorizar os carboidratos na sua forma integral, já que são ricos em fibras e contribuem para o controle do peso. Exemplos: aveia, arroz/ pão e macarrão integrais, farinha de trigo integral, gérmen de trigo etc.
Durante essa fase é fundamental garantir ótimos níveis de vários nutrientes para manter o bom funcionamento do organismo. Caso não seja possível manter dietasnutricionalmente completas e balanceadas, pode ser necessário o uso de suplementosde minerais e vitaminas para o controle dos sintomas.
Procure um (a) nutricionista para auxiliá-la na organização da dieta e prescrição de suplementos (se houver necessidade) para melhorar seu bem estar.
Há centenas “fórmulas mágicas” para enxugar os quilinhos a mais. São dietas de origem suspeita e que podem colocar a saúde em risco. No entanto, para perder peso de forma saudável, existem apenas três passos: praticar exercícios físicos com regularidade, manter uma dieta equilibrada e , principalmente, não descuidar da autoestima.
De acordo com o endocrinologista Julio César Santos, o último ítem é indispensável para emagrecer e não readquirir o peso novamente. É ele também que faz com que você sabote o regime ou crie disciplina para levar adiante a meta de afinar a silhueta. “Autoestima baixa significa, entre outras coisas, uma grande insegurança. Uma pessoa insegura dificilmente se sente motivada a desafios grandiosos. E perder peso é um grande desafio”, analisa o endocrinologista.
A ligação entre autoestima e perda ou aumento do peso é estreita. Se a primeira estiver em baixa os reflexos serão sentidos no corpo.
Equilíbrio da mente reflete na balança 
A autoestima em alta eleva a confiança e a determinação, dois fatores fundamentais para que uma dieta seja bem sucedida. “Emagrecer é um processo lento, assim como comer é prazeroso. As pessoas têm uma tendencia natural em descontar naquilo que comem os seus problemas e angústias. Esta combinação destrói qualquer regime”, explica a psicóloga Ieda Cardoso. Segundo a profissional, pessoas com baixa autoestima encontram na alimentação uma válvula de escape.
Naturalmente e quase sem perceber, uma pessoa que sofre de baixa autoestima come além do que o corpo nescessita. Com isso, os pneuzinhos aparecem e, junto com eles, a frustração. “É um ciclo vicioso e difícil de ser quebrado. A pessoa se sente infeliz e desvalorizada, passa a comer mais e, quando tenta emagrecer e percebe a dificuldade de eliminar o peso, ela perde a confiança e abandona o plano de emagrecimento”, complementa Julio César.
O desânimo provocado por uma baixa autoestima culmina, inevitavelmente, na dificuldade de acreditar em si mesmo. Sem confiança, os pensamentos negativos e autodestrutivos, como o “eu não consigo fazer nada direito”, ganham espaço e o estímulo necessário para mudar hábitos e incorporar uma vida mais saudável fica praticamente inexistente. Fique em paz com seu corpo
Além de prejuízos estéticos, estar acima do peso pode desencadear problemas de saúde, principalmente os cardiovasculares. “A obesidade é um fator de risco para várias doenças e pode ser fatal”, ressalta o endocrinologista.
De acordo com Ieda Cardoso, os sinais de baixa autoestima são fáceis de identificar. “Acreditar que é passado para trás o tempo inteiro ou se achar sempre vítima, duvidar de seu potencial para realizar tarefas, evitar se expressar e deixar de opinar sobre algo, ser dependente da opinião alheia, sempre enxergar o pior de todas as situações e ocultar a sua personalidade são alguns deles”. Contornar esses traços com ajuda de tratamento psicológico, diz a profissional, é fundamental para dar espaço para aumentar o bem-estar. “Consequentemente, como num efeito dominó, quem aumenta autoestima consegue lidar melhor com desafios, inclusive o de emagrecer”, diz a profissional.

Bom dia, estou muito feliz com meu jejum até aqui eu já eliminei -2 kg. ontem dei uma exagerada no almoço mas me controlei logo em seguida...