quinta-feira, 30 de junho de 2011

Dicas de saúde






colesterol-nutrição-saude
Primeiramente, todos precisam entender que o colesterol é fundamental para o nosso corpo, pois ele participa da formação de hormônios, da vitamina D, de membranas e ácidos biliares (fundamental para absorção de gordura no intestino). Para isso, algumas células do nosso fígado e intestino produzem colesterol.
Além do colesterol que o nosso corpo produz, alguns alimentos são fontes de colesterol, os principais são de origem animal, como as carnes (principalmente fígado, bucho, coração de galinha, gema do ovo), as manteigas, o leite integral, os iogurtes integrais, queijos amarelos, embutidos, creme de leite e produtos que contenham estes ingredientes. Vale a pena lembrar que, alimentos do nosso dia a dia como o pãozinho, bolo entre outros, geralmente contém um ou mais destes ingredientes citados anteriormente. Outros alimentos como o café expresso também contém colesterol.
O excesso de colesterol pode trazer muitas complicações a saúde, como a formação da placa aterosclerótica e doenças cardiovasculares, que é a principal causa de morte.  A redução de 1mg/ dL do “colesterol bom” (HDL), pode aumentar o risco para doenças cardiovasculares em 2 a 3%. Enquanto o aumento de cada 1mg/dL do mesmo reduz o risco de morte coronariana em 6%, independente do nível do colesterol ruim (LDL).
Muitos já devem ter ouvido sobre o papel protetor do HDL ou “colesterol bom”, como ação anti- inflamatória, antitrombótica, vasodilatadora e importante  na prevenção da aterogênese. Isso porque, o HDL “recolhe” o colesterol ruim dos tecidos e o transporta para o fígado, para eliminação ou reutilização. No entanto, diferente da visão que se tinha, o metabolismo do HDL é muito mais complexo, hoje, estudos o classificam em diferentes subfrações: HDL-2a, 2b, 3a, 3b e 3c e investigam quais as frações que realmente são benéficas a saúde, ou seja, mais importante que a quantidade de HDL é a sua qualidade (funcionalidade).  Uma nova forma de avaliação do colesterol, ou modificações nos valores de referências tem sido avaliada.
Hoje, sabe- se que os fatores não genéticos são responsáveis por até 50% de aumento do colesterol, dentre eles estão:
- excesso de peso;
- tabagismo;
- sedentarismo;
- consumo de álcool;
- hábitos alimentares errôneos;
- hipotireóidismo, entre outros;
Uma boa nutrição tem um papel muito importante, tanto para a redução de peso, como redução do colesterol, onde destaco:
Fibras solúveis: presentes em frutas, verduras, sementes, leguminosas, entre outros. Um estudo recente observou que o consumo crônico de suco de laranja pode diminuir em até 11% do colesterol total e 15 % do LDL, isso devido ao flavonóides cítricos e a vitamina C em conjunto.
Chá verde: Ajuda a reduzir o colesterol total e o LDL, devido aos flavonóides (catequinas), em especial a epigalocatequina gallate (EGCG). Além disso, o chá verde contém cafeína e polifenóis que aumentam o metabolismo, facilitando a perda de peso.
- Omega-3
- Soja
Niacina (Ácido nicotínico) ou vitamina B3: tem demonstrado os melhores resultados para aumentar o colesterol HDL-C em 15%-40%, reduzir o LDL-C (5%-25%) e os triglicerídeos (20%-50%). Os estudos também demonstraram eficiência para redução do tamanho das placas de ateroma e outros problemas cardiovasculares.
- Fitoterápicos
- Dieta vegetariana: tem apresentado grande eficiência no papel protetor vascular.
- Fitosteróis, fitostanóis, flavonóides, entre outros.
São muitas as teorias e crenças praticadas para a melhora do colesterol, porém nem todas se apresentam eficientes, como é o caso da berinjela que demonstra resultados muito conflitantes e baixa eficiência, portanto procure um nutricionistapara melhores orientações.

Um comentário:

Deixe seu comentário, Amei sua vista, Obrigado, volte sempre!

Bom dia, estou muito feliz com meu jejum até aqui eu já eliminei -2 kg. ontem dei uma exagerada no almoço mas me controlei logo em seguida...